O curioso consenso político contra a imparcialidade

Tornou-se lugar comum a alegação de que não existe imparcialidade nem é possível ser neutro. Mas essa alegação é sensata?

Quem não pratica “fast food” político e intelectual deve ter percebido uma tendência dos últimos anos, que é a adoção da ideia de que a imparcialidade e a neutralidade são inexistentes ou impossíveis. E é curioso que essa pouco articulada tese tenha seduzido pessoas que costumam discordar radicalmente entre si: dos estudiosos de Paulo Freire (geralmente marxistas) ao website Spotniks, de orientação liberal/libertária. Alguns chegam a incluir nesse veto de existência outras marcas de probidade racional de investigações, como a objetividade.

É plausível afirmar que não há jornais e revistas com linhas editoriais e de seleção de pauta que sejam, hoje, neutras e imparciais no sentido acadêmico desses termos. Como a mudança da opinião política de um indivíduo para uma posição mais próxima da verdade dependeria de um enorme volume de informação e de considerações sobre a natureza humana e sobre o papel de instituições complexas, seria improvável que a mudança acontecesse pela análise de uma única peça jornalística. Portanto, faz sentido, do ponto de vista editorial, que jornais e revistas que crêem portar uma posição melhor que as alternativas se comportem como defensores intransigentes de um número limitado de “pressupostos”. Mas essa atitude só é racional se esses pressupostos forem pontos de partida examinados, em vez de dogmas. É natural haver discordância profunda em política, e todos nós respondemos à discordância recorrendo a esses pontos de partida. Virtudes como imparcialidade e neutralidade servem não para fingir pairar sobre-humanamente acima dos conflitos inevitáveis de pressupostos, mas para agir de forma a permanecer aberto a críticas, inclusive às que possam enfraquecer esses pressupostos, e não sair ao mundo em busca apenas de evidências que confirmem o que já acreditamos.

De qualquer forma, a surpreendente concordância sobre a inexistência ou impossibilidade da neutralidade e da imparcialidade no jornalismo e na política pode ter um efeito perigoso: a confusão entre descrição e prescrição, ao tratar como natural esse estado de inexistência prática de imparcialidade, o que pode ser interpretado como desejável e/ou imutável, tendo como consequência a desvalorização dessas virtudes epistêmicas. Se não temos escolha a não ser adotar nossos próprios grupos com base nos pressupostos em torno dos quais esses grupos se organizam, isso não é desculpa para não nos prevenirmos contra o viés da confirmação e o dogmatismo.

Há formas diversas de adotar a tese da inexistência e/ou impossibilidade da imparcialidade e da neutralidade. Algumas distinções são necessárias para dissipar confusões comuns.

1 – O erro de igualar a raridade e a dificuldade à inexistência

A depender do assunto, pode ser mesmo difícil, e raro, que um pensador individual chegue a conclusões neutras e imparciais. Conclusões que são mais fruto de uma avaliação desinteressada dos fatos e argumentos do que de um viés de confirmação de suas preferências e crenças prévias. Mas de algo ser raro ou difícil não se segue que não exista, ou de que é impossível ou muito improvável que passe a existir. A suposta escassez de exemplos de imparcialidade e neutralidade, portanto, não serve para amparar a ideia de que imparcialidade e neutralidade não existem.

2 – O erro de ver imparcialidade e neutralidade como um horizonte utópico que é até recomendável ter como meta, mas que jamais pode ser atingido

Esse erro resulta justamente do respeito à imparcialidade e à neutralidade, mas é um respeito exagerado, que as eudeusa e mistifica. Para dissipar essa mistificação, basta pensar em exemplos banais de investigações e conclusões imparciais, neutras e objetivas. O mundo não é escasso em exemplos de pessoas que mudaram de posição racionalmente, abandonando crenças e pagando um preço por isso. Esse fenômeno é em si uma marca de comprometimento com virtudes epistêmicas (imparcialidade, neutralidade, objetividade) no mundo, especialmente quando fazê-lo não está servindo para favorecimento imediato dos interesses prévios das pessoas. Eis alguns exemplos:

  • Sergio Viula passou muitos anos como pastor que pregava a cura gay. Ele próprio é gay, mas havia se casado com uma mulher e tem filhos. Ao examinar argumentos e evidências de que ser gay não é uma escolha, muito menos uma escolha moral, e de que não faz sentido aplicar um tabu moral sobre o desfrute da vida sexual de gays enquanto se permite que heterossexuais desfrutem da sua, Sergio Viula saiu do armário e denunciou seu trabalho anterior. Isso não teria acontecido se ele não tivesse adotado uma atitude imparcial diante do assunto. Se fosse simplesmente uma mudança de posição parcial em prol de suas tendências sexuais, seria mais cômodo que ele vivesse uma vida dupla e desonesta, com uma esposa e casos extra-conjugais com homens, como fazem muitos. A virtude da imparcialidade, por ser uma escolha também moral, está correlacionada com honestidade em outras áreas da vida, e Viula é um exemplo disso.
  • Dan Barker passou 19 anos como pastor e músico gospel nos Estados Unidos. Um exame neutro e imparcial das crenças religiosas que as enfraquecesse levaria Barker a perder muito do que conquistou em sua vida até ali. Foi o que aconteceu, levando Barker a deixar a fé cristã em 1984, por nada menos que mudança de ideia após analisar as razões para acreditar e concluir que eram insuficientes. Seguir suas novas conclusões foi muito difícil para Dan Barker, ele descreve como jogar a própria mãe pela janela. Mas ter de agir contra seus próprios interesses é um sacrifício necessário para quem deixa a parcialidade para trás.
  • Thomas Sowell é um economista e filósofo político americano que durante a maior parte de sua juventude foi um marxista. Sowell passou por toda a sua graduação sendo um marxista, mas se viu forçado a abandonar as suas ideias após conhecer em primeira mão os efeitos negativos de políticas públicas de cunho igualitarista. Ao trabalhar para o governo federal americano ele descobriu que o aumento do salário mínimo obrigatório entre trabalhadores da indústria açucareira de Porto Rico levou ao aumento do desemprego no mesmo setor, assim piorando a qualidade de vida dos trabalhadores. Sowell se tornou um ardente defensor da liberdade econômica desde então.

Por Eli Vieira, vice-presidente da LiHS.

Pode ser também de seu interesse: