Mulher filma o próprio aborto para questionar mitos sobre a prática

Reportagem: Época

Emily Letts descobriu que estava grávida em novembro passado. Aos 25
anos, tendo começado há pouco uma nova carreira, não queria ter filhos.
“Eu sabia que não estava pronta para cuidar de uma criança”, escreveu
ela. Decidiu abortar. Letts vive em Cherry Hill, no estado americano da
Nova Jersey. Lá, clínicas de aborto são legais, têm autorização do
governo para funcionar.
Desde o ano anterior, inclusive, Letts trabalha em uma dessas clínicas,
onde decidiu levar o procedimento adiante. Filmou a operação. 

Emily Letts descobriu que estava grávida em novembro passado. Aos 25
anos, tendo começado há pouco uma nova carreira, não queria ter filhos.
“Eu sabia que não estava pronta para cuidar de uma criança”, escreveu
ela. Decidiu abortar. Letts vive em Cherry Hill, no estado americano da
Nova Jersey. Lá, clínicas de aborto são legais, têm autorização do
governo para funcionar.


O vídeo foi assistido mais de 400 mil vezes. É delicado – filma Letts
da cintura para cima. Médicos e aparelhos mal aparecem. Sua intenção,
com isso, era informar, mostrando que um aborto cirúrgico não é,
necessariamente, assustador. Em um ensaio para a revista Cosmopolitan,
Letts escreveu : “Nós falamos muito sobre aborto mas, mesmo assim,
ninguém sabe realmente como um aborto é. Um aborto em uma gestação ainda
no primeiro trimestre leva de três a cinco minutos. Mesmo assim,
mulheres vêm à clínica aterrorizadas, achando que serão cortadas,
convencidas de que não serão capazes de ter filhos depois disso. A
quantidade de informações erradas é incrível mas, pensem: mesmo assim,
essas mulheres ainda estão dispostas a enfrentar esses medos porque
sabem que não podem criar uma criança naquele momento”.

No mesmo texto, Letts explica que nunca foi uma ativista em favor do
aborto. Pelo contrário – de início, ela queria ajudar mulheres a ter
filhos. Uma de suas amigas é uma doula e lhe inspirou esse desejo.
Enquanto pesquisava, Letts descobriu que existem três tipos de doulas:
aquelas que ajudam durante o parto; as que auxiliam na adoção e aquelas
que auxiliam em casos de aborto. Foi quando teve um estalo. Por anos,
Letts trabalhara como atriz profissional. Sentia-se mal com o próprio
corpo, tendo de competir com outras mulheres. De repente, percebeu que
poderia ajudar mulheres a se sentir bem com elas mesmas, com suas
decisões e com seus corpos, logo depois de elas terem passado por uma
experiência potencialmente traumática. Letts iria ajudá-las a abortar.

Letts enfatiza que o aborto, desde que existam as devidas condições
médicas e legais, é uma decisão pessoal. Esta é a história dela – uma
mulher que decidiu não estar pronta para ser mãe e que, com poucas
semanas de gestação, preferiu abortar. “Não vou fingir que isso é mais
ou menos do que uma decisão pessoal. Não posso falar por ninguém em um
caso tão pessoal”.

Segundo ela, o aborto não precisa ser uma experiência traumatizante para todas as pessoas, nem é em todos os momentos. Uma pesquisa realizada pela Universidade da California,
em 2013, com mulheres americanas, concluiu que 90% delas se sentia
aliviada – e não culpada – depois de realizar o procedimento. Além
disso, apesar do temor, abortos legalizados são mais seguros do que dar à
luz: de acordo com uma pesquisa de 2012, da Universidade Columbia,
as chances de a mulher morrer após o parto são 14 vezes maiores do que
de morrer depois de um aborto. Mas Letts sabe que a experiência pode ser
terrível para muitas: “Eu sei que muitas delas sentem remorsos. Eu já
vi as lágrimas”. Não foi o caso dela. Letts saiu da clínica aliviada –
como os 90% das mulheres de que a pesquisa falava. Sentiu-se assim
porque, para ela, aquela decisão, tão pessoal, era a mais adequada. Com o
vídeo, Letts apenas quer que as pessoas reflitam e permitam que as
mulheres, livres do terror e do preconceito, sintam-se livres para tomar
suas próprias decisões.  Seja essa decisão abortar ou dar à luz.
RC

Pode ser também de seu interesse: