Entrevista com Debra W. Soh

Debra W. Soh é uma neurocientista especializada em sexualidade humana da Universidade York, em Toronto (Canadá) e também trabalha com divulgação científica e jornalismo, escrevendo para a grande mídia como em “The Globe and Mail” e na “Scientific American“. Ela também é bastante ativa no Twitter e escreve em uma coluna para a Playboy. Abaixo, a entrevista realizada com ela no dia 23/08/2017, tratando sobre o entendimento neurocientífico da sexualidade humana, pornografia, pedofilia e o que a ciência pode dizer acerca das diferenças entre homens e mulheres.

LiHS Antes de mais nada, obrigado pela entrevista e nos diga: quem é você, o que você faz e o que te fascina em sua área de pesquisa?

Debra — Eu sou doutora em neurociência sexual e trabalho com jornalismo científico. Sexologia, ou o estudo científico do sexo, é criticamente importante porque o entendimento da sexualidade humana nos ajuda a entender melhor uma parte crucial de quem somos. O campo da neurociência também avançou enormemente nos últimos anos e hoje nós podemos investigar o cérebro de maneiras que antes não podíamos.

 LiHSAtualmente a sexualidade feminina se tornou um campo de batalha ideológico para a opinião pública, embora pouco sobre o assunto seja conhecido pelo público em geral e muita ignorância se alastre pelas câmaras-de-eco ideológicas. O que a neurociência nos diz a respeito?

Debra — Sistemas femininos e masculinos são diferentes e os estudos de imageamento cerebral oferecem evidências disso; por exemplo, quando olhamos para o modo como o cérebro responde à excitação sexual. Já escrevi antes sobre como eu não considero que as diferenças entre os sexos sejam inerentemente sexistas e que nós não deveríamos fingir que homens e mulheres são idênticos para obter paridade entre os gêneros. Ao negar tais diferenças nós dificultamos nossa habilidade de, de uma perspectiva científica, entender verdadeiramente por que somos como somos.

 LiHSTrabalho sexual é notadamente polêmico. Acerca da pornografia, o que se pode dizer das mulheres que a consomem e das que a produzem? E sobre prostituição, ela é invariavelmente ruim?

Debra — Como em qualquer questão, especialmente quando envolvemos política, deve-se ter uma abordagem baseada em evidências. A respeito de pornografia e de trabalho sexual, enquanto elas trabalhares de maneira ética e consensual, ok, são os fatores que eu acredito que determinam o resultado.

LiHSEstudos recentes sugerem um vínculo entre pedofilia e estruturas e funções cerebrais. Como este conhecimento pode nos ajudar a prevenir abusos sexuais infantis e tratar pessoas sofrendo de compulsões pedófilas?

Debra — É importante diferenciar pedofilia de abuso sexual infantil. Pedofilia se refere ao interesse sexual por crianças pré-púberes (crianças abaixo de 11 anos). Abuso sexual infantil é o que o nome diz. Nem todos os pedófilos são molestadores de crianças, bem como nem todos os molestadores de crianças são pedófilos.

As pesquisas mais atuais, incluindo estudos cerebrais nos quais eu trabalhei, sugerem que a pedofilia (o interesse sexual por crianças) é um fenômeno biológico e, como tal, não é uma escolha ou algo que possa ser mudado. Alguns pedófilos são comprometidos em viver sem realizar seus desejos (incluindo não consumir pornografia infantil) e nós devemos oferecer tratamento e apoio a eles desde o primeiro instante, pois isso previne que ocorram abusos sexuais infantis.

LiHSExistem diferenças objetivas entre homens e mulheres, ao menos em nível de tendências? As diferenças funcionais e de estrutura cerebral explicam ao menos parcialmente as diferenças de comportamento e de preferência entre homens e mulheres?

DebraSim. Estudos com neuroimagem mostram diferenças, em média, das funções e estruturas cerebrais (das massas branca e cinzenta) entre homens e mulheres. Elas são associadas às diferenças que observamos entre os sexos, correspondendo a diferenças de interesse e de comportamento. Isso não significa que a influências sociais não tem papel, mas não é correto dizer que gênero é construção social ou que todas as diferenças que vemos entre os sexos são aprendidas.

LiHSQuais os danos em potencial de ignorar diferenças entre homens e mulheres?

Debra — Alguns negam a ciência acerca das diferenças sexuais porque temem que ela será usada para justificar sexismo ou opressão sobre as mulheres. Entretanto eu defendo que negar fatos não os ajuda em seu propósito, porque isso não desafia as crenças subjacentes que servem de base às idéias sexistas, ou seja, que características e comportamentos tipicamente femininos sejam vistos como inferiores aos masculinos.
Negar tais diferenças também provoca impactos em nossa saúde. Por exemplo, homens e mulheres tem diferentes predisposições para certas condições médicas e riscos de saúde.
Infelizmente, quanto mais politizada se torna uma área de pesquisa, menos provável que ela atraia pesquisadores, pois eles sabem que haverá uma resposta pública negativa se o que eles descobrirem não apoiar idéias politicamente corretas. Agora a ideologia está interferindo em nossa habilidade de obter conhecimento e verdades científicas.
***
A versão original em inglês desta entrevista pode ser acessada aqui.

An Interview with Debra W Soh

Debra W. Soh is a neuroscientist at York University, Toronto (Canada) specialized in human sexuality and also works as scientific journalist writing to The Globe and Mail and Scientific American. She is active on Twitter and also writes for Playboy. Below, the interview taken on 08/23/2017, covering the neuroscientific knowledge about human sexuality, pronography, pedophily and what science can tell us about differences between men and women.

 

LiHS — First of all, thank you for your time, and tell us: who are you, what do you do, and what’s fascinating about your research field?

Debra — I hold a PhD in sexual neuroscience and I work as a science journalist. Sexology, or the scientific study of sex, is critically important because understanding human sexuality helps us better understand a crucial part of who we are. The field of neuroscience has also advanced in enormous ways in recent years and we are able to investigate the brain in new ways we couldn’t before.

LiHS — Currently, in public discourse female sexuality is an ideological battlefield; yet, little about it is known by the general public, and much ignorance is spread within ideological echo-chambers. What can the neurosciences teach us about it?

Debra — Female and male sexual systems differ, and brain imaging studies have offered evidence for this; for example, when we look at how the brain activates during sexual arousal. I’ve written previously about how I don’t think sex differences are inherently sexist and that we shouldn’t have to pretend that men and women are identical in order to achieve gender equity. By denying these differences, we are hampering our ability, from a scientific perspective, to truly understand why we are the way we are.

LiHS — Sex work is especially polemical. Regarding pornography, what can be said about women who consume it and women who produce it? Regarding prostitution, should we say it is invariably bad?

Debra — Like any issue, especially those pertaining to policy, an evidence-based approach should always be taken. Regarding pornography and sex work, so long as they are ethically sourced and consensual, this is what I believe should determine the outcome.

LiHS — Recent studies suggest a link between pedophilia and cerebral structure and function. How can this knowledge help us prevent child abuse and treat people suffering from pedophilic interests?

Debra — It’s important to differentiate between pedophilia and child molestation. Pedophilia refers to the sexual interest in prepubescent children (kids who are under the age of 11). Child molestation refers to the abuse of a child. Not all pedophiles are child molesters, just as not all child molesters are pedophiles.

The most current research, including brain studies I have worked on, suggests that pedophilia (the interest) is a biological phenomenon, and as such, isn’t a choice or something that can be changed. Some pedophiles are committed to living a life without acting on their desires (including never looking at child pornography), and we should offer treatment and support to them from day one, so as to help prevent child abuse from ever occurring.

LiHS — Are there such things as objective differences between men and women, at least at the level of developmental tendencies? Do structural and functional cerebral differences at least partially explain differences between their preferences and behavior?

Debra — Yes, neuroimaging studies have shown differences, on average, between men and women in brain structure (both grey and white matter) and function. This is associated with the differences we see between the sexes in corresponding interests and behavior. This isn’t to say that social influence doesn’t play a role, but it isn’t correct to say that gender is socially constructed, or that all sex differences we see are learned.

LiHS — What are the potential harms in ignoring differences between men and women, if any?

Debra — Some people deny the science around sex differences because they are afraid that it will be used to justify sexism or oppression of women. However, I argue that denying facts doesn’t actually help their cause, because it doesn’t challenge the underlying beliefs that support sexist ideas; that is, that female-typical traits and behaviors are seen as inferior to men.

Denying these differences also have implications for our health. For example, women and men have different predispositions towards some medical conditions and health risks.

The unfortunate thing is, the more politicized a particular area of research becomes, the less likely researchers are to pursue it, because they know there will be public backlash if their findings don’t support politically correct ideas. Ideology is now interfering with our ability to attain knowledge and scientific truth.

The Portuguese-translated version of this interview can be found here.

Acadêmicos que acreditam que a criação supera a natureza também tendem a duvidar do método científico

Até que ponto o pensamento evolutivo permeou a academia? Uma pesquisa com mais de 600 acadêmicos de 22 disciplinas, desde psicologia e economia até estudos de gênero, sociologia e humanidades, descobriu que existem duas culturas distintas na academia, pelo menos em relação às principais causas do comportamento humano e da cultura humana.

Um grupo formado por psicólogos, economistas, filósofos e cientistas políticos acredita mais fortemente nas influências genéticas no comportamento, nas crenças e na cultura. O outro grupo, que consiste em sociólogos, antropólogos não-evolutivos, acadêmicos de estudos de gênero e todos os acadêmicos de humanidades (exceto filosofia), acredita na primazia das influências ambientais.  Além disso, os acadêmicos que favorecem as influências ambientais também tendem a ser céticos quanto ao método científico. Os resultados foram publicados com acesso livre no recém lançado jornal “Evolutionary Studies in Imaginative Culture”.

Joseph Carroll na Universidade de Missouri em St. Louis e seus colegas, incluindo Mathias Clasen da Universidade de Aarhus, identificaram acadêmicos influentes de diferentes disciplinas com base nos artigos dos principais jornais de cada área. Cada participante avaliou sua concordância com 24 declarações relativas ao debate sobre a natureza/criação e as interações genético-ambientais. O campo favorecendo explicações genéticas tende a concordar mais fortemente com afirmações como “O comportamento humano é produzido predominantemente ou exclusivamente por características geneticamente transmitidas”. O outro campo avaliou mais fortemente itens como “O comportamento humano é produzido predominantemente ou exclusivamente por condições ambientais, incluindo convenções culturais”.

Um vislumbre de esperança para um futuro consenso foi encontrado no fato de que ambos os campos tendiam a responder afirmativamente aos itens pertencentes a interações genético-ambientais, tais como “Os valores, crenças e sentimentos humanos são produzidos por uma interação entre adaptações moldadas pela seleção e por condições ambientais, incluindo convenções culturais”.

No entanto, os sinais de consenso foram um pouco prejudicados pelos comentários abertos dos participantes, que mostraram que os dois campos tinham uma perspectiva diferente sobre o que as interações do ambiente gênico significam. Por exemplo, sobre o tema da identidade de gênero, um acadêmico evolutivo das ciências sociais disse: “Eu acredito que a identidade de gênero reflete uma mistura de insumos genéticos e culturais, sendo o genético um pouco mais importante”, enquanto um estudante de estudos literários disse: “Eu concordo que as características biológicas desempenham um papel na formação da identidade de gênero, mas eu absolutamente discordo de que elas o façam ‘predominantemente'”.

Talvez o mais preocupante, no sentido de minar as esperanças de qualquer consenso futuro sobre a compreensão do comportamento humano e da cultura, é que os acadêmicos que favoreceram as explicações ambientais e culturais de comportamento também tendiam a duvidar do método científico:

“O comportamento humano não está sujeito a leis imutáveis, e, portanto, não pode ser estudado cientificamente”, disse um acadêmico de estudos religiosos. “O conhecimento científico tem algo a nos dizer sobre artefatos materiais e sua produção, mas ‘natureza humana’, ‘experiência humana’ e ‘comportamento humano’ não são empiricamente estáveis”, disse um acadêmico de estudos literários.

Em contrapartida, os acadêmicos que favorecem causas genéticas e evolutivas do comportamento expressaram fé na ciência.

Carroll e seus colegas disseram que sua pesquisa forneceu uma “fotografia estatística… de uma paisagem em constante mudança” das opiniões divergentes sobre a natureza humana e a cultura mantidas pelas ciências sociais e humanas. Seu próprio sentimento otimista é que essa opinião está se movendo “inequivocamente para uma visão biocultural integrada do comportamento humano”.

Então, alguma vez será construída uma ponte entre essas duas culturas? O maior obstáculo, acreditam os pesquisadores, são os acadêmicos que declaram que o comportamento humano não pode ser estudado cientificamente (considere os pontos de vista de outro acadêmico de estudos étnicos: “Eu não acredito na evolução genética das espécies” — escreveram — “Há uma marca de divindade em cada pessoa que garante nossos pontos comuns”). Carroll e seus colegas disseram: “A maioria dos pesquisadores que consideram o comportamento humano fora do alcance da ciência ou que negam que a ciência possui reivindicações especiais sobre a produção do conhecimento, tem mais respeitabilidade acadêmica que os criacionistas, mas são semelhantes a eles, na medida em que eles pisam de bom grado fora do círculo do conhecimento suscetível à falsificação empírica”.

***

Por Christian Jarrett, na Research Digest, traduzido por Douglas Ramos para a LiHS.

15 anos depois: por que ainda acreditamos na Tábula Rasa?

por Malhar Mali, na Aero Magazine.

Uma vez vi no Twitter um antropólogo cultural se referir ao “embuste” de Steven Pinker ao abordar um psicólogo evolutivo que o irritara. Algum tempo depois, em outra visita à rede social, vi uma socióloga e teórica de estudos de gênero/masculinidade/pós-colonialismo dizer muito polidamente a outra professora: “oi Diana, lembro-me de apresentar minha visão de que psicologia evolutiva é mais uma seita do que um campo de estudos sérios. Fui muito generosa“.

Achando essas discussões muito engraçadas, comecei a ponderar por que tantas disciplinas têm esse desprezo e repugnância por novas ciências e seus praticantes. Seria preocupação acerca da inclusão das linhas condutoras do racismo e do machismo da academia em nossa cultura, preocupações certamente nobres, ou seria outra coisa? Aconteceu de eu estar em meio à leitura de Tábula Rasa, de Steven Pinker, quando encontrei essas batalhas no Twitter. Nem é preciso dizer que, para quem leu o livro, aquelas discussões apresentavam padrões familiares.

Sei que estou atrasado, o livro de Pinker foi lançado há 15 anos e provavelmente foi usurpado por muitos outros trabalhos que abordaram as mesmas áreas. Esta não é uma resenha comum, já que há muitas desde que o livro foi lançado. É apenas uma pequena recapitulação de algumas poucas ideias apresentadas por Pinker e como elas permanecem relevantes.

O livro é, depois de cerca de 60 tediosas páginas de teor mais biológico e neurológico explicando as razões de humanos terem características inatas — denotando-as como probabilísticas, o que é importante, e não como determinísticas — um ataque a muitas ideias que as pessoas ainda mantêm neste mundo: a tábula rasa (“a mente não tem características inatas”), o bom selvagem (“a sociedade corrompe as pessoas; nascemos puros, sem egoísmo”) e o fantasma na máquina (“uma alma que existe independentemente de nossa biologia”). Após mostrar que tais crenças não são verdadeiras, Pinker apresenta meticulosamente por que elas são promulgadas na academia e se infiltraram na mentalidade popular, e por que tantos aderem a elas, mesmo quando a maioria das evidências aponta para o contrário.

Sei da omissão das razões biológicas do comportamento humano em algumas partes das humanidades e ciências sociais, mas muito da minha surpresa com esse livro está na descoberta de como cientistas de boa fé (“cientistas radicais“, como Pinker os chama) são responsáveis por ignorar e ofuscar os resultados das novas ciências e maltratar seus praticantes. Por exemplo, Stephen Jay Gold, a quem eu considero um confiável divulgador da ciência, participou de uma campanha com Richard Lewontin para desacreditar a Sociobiologia de E.O. Wilson, amontoando-o aos eugenistas e darwinistas sociais. Pinker também nos conta da antropóloga Margaret Mead — a mesma pessoa que disse algo tão inspirador quanto “nunca duvide que um grupo pequeno de pessoas pensantes e comprometidas possa mudar o mundo; de fato, esta é a única forma de fazê-lo” — conscientemente negando os efeitos dos genes no comportamento humano e denegrindo os proponentes das novas ciências, mas dizendo à sua filha em privado que ela creditava seus próprios talentos intelectuais aos seus genes. Os protestos, calúnias e difamações que Pinker nos relata, perpetrados por ativistas e acadêmicos e direcionados a indivíduos que ousaram explorar as raízes da natureza humana, são, quando lidos uma década e meia após o lançamento de seu livro, tão perturbadores quanto proféticos.

Qual foi o ímpeto dessas ações vindas de pessoas que, de outra maneira, são indivíduos educados e cientistas (de boa fé)? Pode-se especular. Um entendimento caridoso seria que eles temem perpetuar desigualdades (e seus discípulos persistem no temor). Sobre isso, Pinker escreveu:

“Reconhecer a natureza humana, muitos pensam, é endossar racismo, machismo, guerra, ganância, genocídio, niilismo, políticas reacionárias, e negligência contra crianças e os menos favorecidos.”

E porque, como Pinker diz após informar os leitores que as novas ciências escolheram a pior década pra se concretizarem:

“Ao invés de desvincular as doutrinas morais das científicas, o que garantiria que o relógio não retrocederia, não importando o que saísse do laboratório e do campo, muitos intelectuais — incluindo alguns dos cientistas mais famosos — promoveram o maior esforço para conectar as duas.”

Essa é uma área traiçoeira e estou francamente surpreso que Pinker se manteve ileso após a publicação de suas ideias. Reconhecer a natureza humana hoje, as diferenças sexuais, violência, acasalamento, potencial humano e genocídio parece uma maneira segura de ser academicamente insultado como “racista/machista” e de fundamentar a crença alheia de que se está tentando justificar desigualdades. Mas suponho que sua reputação seja reflexo do quanto ele é cuidadoso ao refutar cada falácia e reação visceral que se pode ter ao aceitar a natureza humana — e nos mostrando que rejeitá-la pode levar a políticas e concepções que promovem o sofrimento.

Eu também compartilhei de algumas preocupações dos “cientistas radicais”: se o ambiente não é tão responsável pelo comportamento humano quanto as pessoas pensam, isso não nos deixaria com uma visão determinística da sociedade (onde aceitamos violência e belicosidade como intrínsecas à humanidade)? As pessoas merecem mesmo ser exatamente da forma como terminaram? E isso não nos levaria a nefastas e doentias pseudo-justificações de superioridades e perigosos declives escorregadios?

Mas Pinker lida com essas reações automáticas demonstrando que atrocidades em escala industrial também decorrem da crença em sermos Tábula Rasa. Elas não são domínio de uma única ideologia; como Pinker nota, “tanto a ideologia Nazista quanto a Marxista levaram à mortandade em escala industrial, embora suas teorias psicológicas e biológicas fossem opostas”.

Tomemos os Nazistas: um líder ganha poder e implementa um plano de dizimar toda uma população, a qual ele crê estar conspirando contra seu povo, e porque ele considera sua “raça” geneticamente superior. Pode-se parar aqui, talvez como o “cientista radical” e seus seguidores, e perguntar: “bem, não é melhor acreditar e assegurar que somos todos iguais, para impedir que essas coisas aconteçam de novo?“. Então Pinker oferece sua réplica: Mao e o Khmer Vermelho de Pol Pot, que exterminaram muito mais gente do que Hitler, explicitamente promoveram a visão de Tábula Rasa da humanidade. Acreditar que todos os seres humanos nascem iguais em tendências, características e talentos leva seus aderentes a se perguntar por que alguns se saem melhor que outros. Classe, riqueza oculta, conspirações, etc, são todas respostas oferecidas para essa questão. Aqueles que foram considerados burgueses carregavam um estigma permanente em regimes pós-revolucionários, sendo perseguidos como “camponeses ricos” e privilegiados.

É por isso que intelectuais que não são comunistas, as classes educadas e os burgueses foram tão severamente perseguidos — e frequentemente enviados aos Campos de Extermínio. Por causa da crença de que estavam colhendo privilégios não permitidos aos seus conterrâneos. De acordo com o historiador Paul Johnson, escrevendo sobre o Khmer Vermelho em seu livro “Tempos Modernos: uma história do mundo de 1920 ao ano 2000“:

“Tinha de ser ‘revolução social total’. Tudo sobre o passado era ‘atavismo e deveria ser destruído’. Era necessário ‘reconstruir psicologicamente membros individuais da sociedade’. Implicava em ‘cortar fora, através do terror e de outros meios, as bases tradicionais, estruturas e forças que moldaram e guiaram as vidas individuais’ e então remodelá-las de acordo com as doutrinas do partido, impondo um novo conjunto de valores.”

Para Pol Pot e o sistema de seu Khmer Vermelho, a sociedade foi corrompida e precisava ser reconstruída. Considere seu bordão implicando que a cultura aprendida havia nos infectado — e que nascemos puros (o [mito do] Bom Selvagem):

“apenas os recém-nascidos são imaculados”

Dado tudo isso, eu esperaria que a questão “por que este livro permanece relevante?” começasse a se responder sozinha. Idéias relacionadas à Tábula Rasa continuam sendo promovidas em nossa cultura popular, mídia e mesmo nas políticas públicas. Da criação dos filhos aos resultados das diferenças entre os sexos e violência, Pinker aponta que muitas noções consideradas verdadeiras são contrastadas por descobertas em campos como a genética comportamental. De seu prefácio:

“A ideia de escrever este livro veio quando comecei a colecionar estonteantes afirmações de especialistas e críticos sociais acerca da maleabilidade da psiquê humana: que garotinhos discutem e brigam porque são encorajados a fazê-lo; que crianças gostam de doces porque seus pais os usam como barganha para comer vegetais; que adolescentes competem em aparência e moda por causa de ditados e prêmios escolares; que homens pensam que o objetivo do sexo é o orgasmo por causa da maneira como foram socializados. O problema não é apenas que essas afirmações são ridiculamente absurdas, mas que seus locutores não percebiam que diziam coisas que o senso comum questionaria. Esta é a mentalidade de uma seita, na qual crenças delirantes eram exibidas como provas da piedade de alguém.”

Se hoje alguém olha ao redor, crenças similares que revogam nossa natureza humana compartilhada e atribui nossas ações à cultura, socialização e sociedade são muito comuns. A crença de que apenas representando homens e mulheres em proporções iguais em todos os lugares poderemos eliminar o machismo. A crença de que é a sociedade que molda o que consideramos atraente. A crença de que boa educação pode controlar praticamente todas as facetas de como uma criança se tornará. A crença de que violência é aprendida. A crença de que representações de imagem e mídia constroem nossa realidade (e que a única forma de lutar contra esse controle é através de mais representação).

O capítulo intitulado “As Artes” é particularmente refrescante. Visitei ambos os museus, o de Arte Moderna em NY e o do Louvre, em Paris. Apenas um deles me fez questionar se eu não podia perceber o mérito das exibições, ou se eu simplesmente não era suficientemente apreciador da teoria e intenção artísticas por trás das obras.

Menciono minhas visitas não para me gabar, mas porque queria ter lido as palavras de Pinker antes de visitar o Museu de Artes Modernas: “a equalização pós-moderna de imagem e pensamento não só transformou diversas disciplinas acadêmicas em tralha como trouxe lixo ao mundo da arte contemporânea”. Alguns movimentos artísticos acham que se trocarmos as imagens e o que nelas é representado, mudamos os pensamentos. Como contraste, Pinker nos oferece seu pensamento:

“Uma vez que reconhecemos o que o modernismo e o pós-modernismo fizeram às humanidades e às artes, as razões de seu declínio e queda ficam demasiado óbvias. Tais movimentos são baseados numa falsa concepção da psicologia humana, a Tábula Rasa. Falharam em aplicar a mais alardeada de suas habilidades — descartar as pretensões — a si próprios. E tiraram a diversão da arte!”

Já posso ouvir a repulsa dos doutos. Mas o que Pinker aponta é que seres humanos têm preferências limitadas, específicas (e não apenas culturalmente moldadas) acerca do que consideramos admirável. Nenhuma quantidade de teoria explicando por que e como estruturas hegemônicas de poder controlam o que a sociedade considera “belo” são capazes de explicar por que eu e tantos outros consideramos a arte moderna… insípida.

Parece a mim um problema que haja entre nós aqueles que ainda querem acreditar que são majoritariamente a cultura e a sociedade que moldam os indivíduos — e que, portanto, apenas fixados em consertar nossos sistemas nós podemos amenizar o sofrimento humano. Ao contrário, nós precisamos de um entendimento pleno da natureza humana em todos os seus detalhes. O mais preocupante é que esse livro veio a público há 15 anos e ainda estamos atolados em discussões nas quais Pinker despendeu muito tempo refutando (a versão de bolso tem 430 páginas).

Apesar de longo (e velho), Tábula Rasa é uma leitura importante a todo aquele que não quer viver num mundo de fantasia. Um mundo no qual o único motor do comportamento humano é a sociedade, enquanto milhões de anos de evolução são descartados por oferecerem, às vezes, algumas verdades que, quando mal formuladas, são consideradas inconvenientes. A natureza humana e nosso comportamento são assuntos fascinantes e maravilhosos, e não podemos chegar a seu âmago se rejeitarmos um enorme número de descobertas replicáveis acerca de suas componentes genéticas e evolutivas.